“Há acordo no que há acordo e não há acordo no que não há acordo”. Esta frase foi proferida pelo António Costa numa entrevista concedida, na semana passada, à SIC. Verdade de La Palisse.

Depois de ler o que a comunicação social tem escrito sobre as propostas que estão incluídas no programa do PS, que foi moldado de acordo com as ideias dos 4 partidos (PS, BE, PCP e Verdes), é relativamente fácil identificar quais são os pontos de concórdia e de discórdia. E será através dos pontos de discórdia que o pacto partirá, até porque existe um partido (PS) que irá governar e que terá de procurar consensos constantes com outros dois partidos (excluí os Verdes desta análise) que não falam entre si.

Existe acordo em tudo o que seja aumentar a despesa e diminuir a receita. No entanto, sabemos que este tipo de estratégia cria desequilíbrios orçamentais difíceis de financiar. Quando for necessário criar medidas que promovam ainda mais a diminuição significativa da despesa e o aumento da receita, os partidos políticos que agora veneram o acordo irão descomprometer-se rapidamente e os consensos darão lugar discórdia e acusações.

About J.Pinto

Apaixonado pelas matérias da gestão, da fiscalidade e da contabilidade.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s