Já não é a primeira vez que falo deste assunto no blogue. A greve dos estivadores traz enormes prejuízos às empresas portuguesas. Além de inibir as trocas comerciais entre Portugal e o exterior durante o período de greve, contribuindo decisivamente para a diminuição das exportações, pode ameaçar a competitividade das empresas portuguesas. Quantas empresas é que deixarão de vender a determinados clientes no futuro porque aqueles clientes arranjaram outro fornecedor e ficaram satisfeitos?

Acabei de ler um artigo na revista Sábado que explica a razão desta greve: as horas extraordinárias. Ao contrário do que os sindicatos costumam reivindicar, desta vez incentivam e apoiam a realização de mais horas extraordinárias pelos estivadores. Segundo aquele artigo, alguns estivadores chegam a fazer 2000 horas de trabalho extraordinário por ano. O governo decidiu impor um limite de 200 horas extraordinárias por ano e os estivadores não concordam. Por isso param a economia portuguesa e decidem fazer greve para pressionarem o Governo a não tomar medidas que mexam com os atuais direitos. Já ninguém fala em constituição, nem no código do trabalho.

O artigo diz que os estivadores de Lisboa receberam, em média, em 2011, 3500 euros. O presidente dos sindicatos dos Estivadores do Centro e Sul advoga que o salário base varia entre os 1443,21€ e os 2326,06€. Leiam bem, salário base. Ninguém terá dúvidas de que, em média, os estivadores ganham muitíssimo mais do que os portugueses. Imaginem agora qual será a qualidade dos argumentos utilizados pelos sindicatos e trabalhadores para fazerem greve.

About J.Pinto

Apaixonado pelas matérias da gestão, da fiscalidade e da contabilidade.

14 responses »

    • joana diz:

      Isto é o que eu chamo reclamar de barriga cheia. Queria eu ter horas extras pagas. Se recebessem 485 por mês logo via a miséria que era.

    • wagner diz:

      O estivador é um trabalhador avulso, que só ganha quando está escalado, mesmo assim depende da produtividade do trabalho em que está enganjado; além de ser um trabalhador qualificado para exercer diversas funções a bordo do navio, tais como operador de guindaste, empilhadeiras, trator…, estando constantemente exposto a agentes nocivos a saúde tais como, enxofre, uréia, barrilha, ruído, etc;
      além de estar exposto constantemente aos perigos do trabalho a bordo de um navio, como alturas, cargas perigosas, esplosivas, tóxicas…etc.O estivador é um trabalhador multifuncional, pois trabalha em diversos equipamentos já citados acima, sendo assim quanto mais ele se qualifica em seu mercado de trabalho, mais funções o mesmo está apto a exercer nas embarcações, consequentemente aumentando sua remuneração.

      • Contribuinte diz:

        Wagner, esqueceu de tomar os comprimidos? Então agora um copy paste genérico é uma panaceia argumentativa? Não percebeu? Como é possível, homem? Você é estivador. Sabe tudo. Faz tudo. E quer receber quase tudo. Não interessa que seja uma peça no processo de transporte, mais caro que a produção, onde se pagam salários de fome a quem trabalha mais, melhor e com mais riscos de acidentes que os estivadores-pósDoutorados. Wagner, guarde essa conversa para os convertidos do sindicato. Fora da caserna ninguém vos concede razão porque, simplesmente, não a têm.

      • Rodrigues diz:

        Será que por terem N aptidões as executam em simultâneo? não me parece que consigam! e é por isso que dizem ganhar pouco?
        O que lhes faz falta não é aumento de salário é sim vergonha!…..

  1. Luís Heleno diz:

    Será que se abrirem concurso para admitir pessoal a oferecer 1000€ base, não aparecem 500 candidatos?
    Pelo ordenado médio recebido penso que iriam candidatar-se milhares.
    Esta reivindicação chega a roçar a ofensa.

  2. É necessário fazer uma inspeção ao trabalho que os estivadores realmente fazem, como e por quem esse trabalho é gerido, avaliar realmente esse trabalho, compará-lo com trabalho parecido ou igual noutros setores, ver então se a greve é justa, se realmente têm razão para a fazer, não me parece. Os estivadores quando devem trabalhar não o fazem, “fazem-se” trabalhar fora do horário para assim ganharem centenas de euros em horas que juntam aos seus salários já muito acima da média para operários não especializados, comparativamente a operários análogos noutros setores. Os estivadores são responsáveis pelo preço elevado duma grande serie de produtos, encarecendo-os com o peso das suas horas extraordinárias, que deveriam ser “descarregados” no horário normal, mas eles “manipulam” e conseguem fazer o trabalho quando querem e demorando-o. Esta é a realidade do mundo da estiva em Portugal. Ganham em média entre os 2.300,00€ e os 4.000,00€ brutos, mensais, com as “tais” horas, consoante os anos de serviço que o estivador tem. É isto!!!

  3. Andreia Santos diz:

    O problema do português é que só pensa no que o vizinho do lado ganha, e se ganha mais é logo um alvo a abater, e “porque faz greve se ganha um balurdo!” Eles tem um trabalho perigoso todos os dias tem a vida em risco, nao só pelo trabalho em si, mas pela quantidade de gente que está a trabalhar com máquinas, cavalos, camiões, etc… quantas vezes eles nao tem contentores a passarem por cima da cabeça, quantas vezes nao tem de andar por cima de contentores (em cima do navio) com 6 metros sem nada que os prenda caso algum pé escorregue. Sem falar nas condições das máquinas, que ao fazerem turnos das 8h às 24h (sim eles trabalhar 2 turnos seguidos) quem nao fica com mazelas corporais? É este o lado que nao vêem e que simplesmente tapam os ouvidos e só vêem o que querem ver… e é este o triste Portugal em que vivemos…

    • Paulo Santos diz:

      Deixe-me dizer-lhe que um sr estivador deixar passar um contentor por cima dele ou se andasse em cima de um contentor sem proteccao deveria ser despedido na hora. Tinha acabado de colocar em risco a vida dele e o bom funcionamento do porto. Pela sua ordem de ideias um estafeta de mota devera receber mais ordenado se andar sem capacete. É uma argumentecao invalida e desprovida de qualquer conteudo.

  4. Duarte Spinola diz:

    Andreia, o problema é mesmo esse, eles querem fazer mais turnos seguidos é essa a razão da greve, eles querem fazer mais horas extraordinárias, não querem que seja outra empresa a fazer é porque não deve ser assim tão mau. :):):)

  5. João pinto diz:

    Acho que em algumas situações procedem como oportunistas.

  6. M.C. diz:

    Estou confusa… Com que então profissão perigosa? Não sabia !!! Então onde se enquadra as forças de segurança os bombeiros? Estes não põem a vida em perigo? E ganham muito menos, também são qualificados para os cargos que exercem …

  7. João pinto diz:

    Parece-me altamente imoral e desajustado as realidades do país estes profissionais terem vencimentos em média de 3.500 por mês.Penso que sua formação assim como a especialização não é assim tão exigentese estes senhores auferem estes vencimentos.Pergunto agora quanto terá que auferir um enfermeiro,um serralheiro um pintor um mecânico,já para falar noutras profissões que ganham pouco mais que o ordenado mínimo nacional.Penso que é urgente haver diálogo,bom senso e acabar com esta greve que prejudica em muitos aspectos o etário piblico ou seja o dinheiro de todos os contribuintes.

  8. Luis diz:

    Nem todos os estivadores ganham tanto, os de sines começam com 519 euros base ao fim de 3 anos chegam aos 780 euros base, um bocado diferente dos restantes estivadores do pais.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s